Blog

Cresce o número de ataques cibernéticos com a pandemia do Covid-19

Dado o atual cenário mundial de combate ao novo coronavírus, as pessoas então consumindo uma quantidade maior de conteúdos relacionados ao assunto, como documentos, notícias, sites, redes sociais e diversos outros canais em busca de informações que tranquilizem a sensação de “pânico” causada pela pandemia.

No entanto, eventos mundiais como este são considerados um “prato cheio” para cibercriminosos, utilizando e-mails, aplicativos, sites falsos e até mesmo as mídias sociais como forma de espalhar malware e prejudicar muitas pessoas.

E mesmo que as organizações tomem algumas medidas para proteger seus funcionários e ativos que estão em home office, continuam correndo o risco de sofrerem ataques como esses.

Como forma de alerta, trouxemos cinco métodos que hackers estão utilizando para explorar a pandemia do Covid-19:

– E-mails de Phishing: Uma coisa é certa, o e-mail será um dos maiores vetores de ameça para pessoas e organizações, pois situações como esta são muito utilizadas em campanhas de phishing. Os assuntos para segurar a atenção do usuário vão de orientações oficiais de saúde do governo até informações sobre logística e as cargas presentes nesses e-mails podem ser ransoware, keyloggers ou trojans de acesso remoto, por exemplo.

– Apps maliciosos: A Apple e o Google tomaram algumas iniciativas a respeito de aplicativos relacionados ao coronavírus em suas lojas, mas os apps maliciosos ainda podem representar uma ameça aos usuários. Conforme matéria do Portal CIO, o DomainTools descobriu um site em que pedia-se para o usuário baixar um app android que forneceria informações sobre a pandemia, porém, o aplicativo era carregado com ransoware chamado de COVIDLock.

– Domínios inválidos: Diversos sites também estão surgindo rapidamente para compartilhar informações relacionadas à pandemia. No entanto, muitos deles são como os aplicativo citados à cima, possuem o intuito de fazer vítimas inocentes.

– Pontos de extremidade inseguros e usuários finais: Com empresas inteiras fazendo home office ou a maioria de seus colaboradores, aumentaram os riscos em torno de endpoints e para quem os utiliza. Sem dizer que os equipamentos que a equipe está usando em casa também podem se tornar mais vulneráveis.

– Vulnerabilidade em fornecedores e terceiros: Assim como você, seus clientes, parceiros e fornecedores de serviços estão passando pelas mesmas situações. Por isso, é importante manter contato com a partes mais necessárias do seu ecossistema para saber se estão atentos às medidas de proteção com sua força de trabalho em casa.

Essas são algumas situações em que cibercriminosos podem usar para tirar proveito desta pandemia e, assim, prejudicar diversas pessoas, empresas e órgãos. Ter um sistema integrado e com todos os seus processos automatizados, pode te oferecer mais segurança em períodos críticos como este, de tomada de decisões inesperadas, mas que precisam ser estratégicas. E nisso, a BLP.IT pode te ajudar!

Fonte: CIO from idg